O Edifício-Monumento está fechado para obras de restauro e modernização

Anais do Museu Paulista - v.23 n.1

A mais recente edição dos Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material já está disponível. A publicação conta com sete artigos, que tratam desde a “magnífica presa” Marilyn Monroe à patologização do natural “CC” no Brasil pós-Segunda Guerra Mundial. Moinhos hidráulicos, vestimentas do período colonial, a relação do concreto com a prática do futebol, experimentações fotográficas e engenharia sanitária também são temas tratados ao longo das suas mais de 200 páginas.

146 No artigo “Uma ‘magnífica presa’: representações visuais de Marilyn Monroe”, Annateresa Fabris aborda as representações visuais que envolvem a atriz, tanto pela construção do mito na produção fotográfica quanto na memória crítica proposta por artistas plásticos da pop art e contemporâneos.

No artigo seguinte, Erica Zerwes verifica como a práxis política e social são elementos chave para entender a transição do russo Aleksandr Rodchenko da pintura para a fotografia nos anos de 1920. A obra de Rodchenko é tratada em diálogo com a cultura política com a qual travou constante e íntimo diálogo.

O artigo a seguir trata das relações entre o consumo e as mudanças de hábitos, por meio do surgimento de novos produtos, lançando o olhar sobre a percepção social pela qual o “CC” (cheiro de corpo) passa no período de modernização e industrialização brasileira pós-Segunda Guerra Mundial.  

Em “Uma relação concreta: A prática do futebol em São Paulo e os Estádios do Parque Antarctica e do Pacaembu”, os autores procuram mostrar como a prática do esporte tornou-se não apenas cultural, mas também material, por meio da arquitetura dos estádios que celebram a tecnologia construtiva do concreto armado, característica na identidade da capital paulistana.

As trajetórias profissionais de Saturnino de Brito e Édouard Imbeaux são o tema do artigo de Angelo Bertoni. Ambos têm na cidade seu foco de ação e reflexão, contribuindo, cada um em seu país, para a construção da disciplina urbanística. Porém, com a dimensão internacional no horizonte, permitiram o confronto e circulação de ideias inovadoras entre Brasil e Europa para a solução de problemas das cidades.

147 Por meio da abordagem histórica da terminologia da área, três grandes questões são tratadas no artigo “A presença dos moinhos hidráulicos no Brasil”: o papel dos moinhos nas estruturas agrárias do interior do país, as raízes mediterrânicas das técnicas envolvidas em sua construção e a importância das mós remanescentes.

O sétimo artigo da publicação estuda testamentos e inventários da vila da São Paulo entre 1580 e 1640 com foco nas vestimentas, que eram registradas como patrimônio nos documentos. São observados modelos e matérias primas e, fundamentalmente, a circulação pela qual passavam as peças herdadas.

Em seu conjunto, os artigos analisam a cultura material, a vida cotidiana e os comportamentos da vida urbana e rural no Brasil e no exterior, cobrindo um período que vai desde o século XVI até meados do século XX. “Assim é que os Anais, mais uma vez, cumprem o seu papel ao darem relevo à cultura material como forma essencial para o entendimento do processo histórico que forjou as cidades brasileiras, seus aspectos construtivos e sua vida artística, contribuindo ainda para a reflexão sobre as práticas da cultura material e da cultura visual na Europa e Estados Unidos”, conclui a professora Sheila Walbe Ornstein, diretora do Museu Paulista da USP, na apresentação da obra.

 

Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material

Nova Série, Volume 23, Nº1, jan-jun 2015

Universidade de São Paulo, Museu Paulista

Editores: Maria Aparecida de Menezes Borrego e Paulo César Garcez Marins

Site: http://www.revistas.usp.br/anaismp

Scielo: http://www.scielo.br/anaismp

 

144