O Edifício-Monumento está fechado para obras de restauro e modernização

Como a física ajuda o museu? Interdisciplinaridade entre o MP e o IF da USP

O trabalho interdisciplinar entre o Museu Paulista e o Instituto de Física da Universidade de São Paulo no processo de Documentação e Restauro 

Ina Hergert, Solange Lima

Museu Paulista da Universidade de São Paulo, São Paulo – Brasil, Departamento de Acervo e Curadoria, inahergert@usp.br, sflima@usp.br

 

Marcia Rizzutto, Jessica Curado

Instituto de Física da Universidade de São Paulo, São Paulo – Brasil, rizzutto@if.usp.br

 

Ao longo dos últimos 15 anos o Museu Paulista da Universidade de São Paulo vem adquirindo o acervo da família Taunay cujos membros tiveram uma grande influência nas áreas de arte, história e política no Brasil. O museu tem interesse especial no acervo principalmente porque o historiador e escritor Afonso Taunay. (1) foi diretor de Museu no período de 1917 até 1945. No lote de objetos que foi adquirido em 2009 dois documentos despertaram interesse especial dos pesquisadores na instituição e fora dela. O primeiro é a caderneta de notas de Adrien Taunay e o segundo é o álbum com desenhos de Alfredo de Taunay.

A caderneta foi atribuída a Aimé - Adrien Taunay (Paris, 1803 – Rio Guaporé, Mato Grosso, Brasil,  5 de janeiro de 1828), filho de Nicolas-Antoine Taunay, membro da Missão Artística Francesa, que chegou ainda adolescente ao Brasil acompanhando seu pai, que foi também seu professor. Em 1824, após viagem de circunavegação liderada pelo naturista Louis-Claude de Saulces de Freycinet onde trabalhou como ilustrador, Adrien voltou ao Brasil e fez em longa viagem por terras fluminenses, passando por Nova Friburgo e Cantagalo. Durante este período o artista fez anotações diárias, acompanhadas de desenhos que foram registrados em um diário. Em 1825 o artista foi contratado como desenhista da expedição organizada por Georg Heinrich von Langsdorf (2).

O Álbum “Viajem Pitoresca ao Mato Grosso” é de autoria de Alfredo d'Escragnolle Taunay, visconde de Taunay, que era filho de pintor Felix Emile Taunay e bisneto de Nicolas-Antoine Taunay. Durante sua vida Alfredo exerceu importantes atividades políticas, militares e literárias: era deputado federal e presidente da província de Santa Catarina e Paraná, tornou-se ainda membro efetivo da Academia Brasileira de Letras, após a publicação de seu principal romance Inocência, e exerceu intensa atividade jornalística em seus últimos anos de vida. De 1864 a 1870 Taunay participou na Guerra do Paraguai como engenheiro militar. Desta experiência surgiu seu livro A Retirada da Laguna, de 1869 e a esse período também são datadas as pranchas de desenhos que foram encontradas no álbum adquirido.

O diário de viagem de Adrien Taunay está manuscrito à lápis e à tinta. Algumas páginas apresentam sobreposição das duas técnicas: a tinta está sobreposta à escrita de grafite. Neste caso de sobreposição é difícil a leitura do texto em grafite. Devido também ao estado avançado da corrosão da tinta, que foi identificada como ferrogálica, e da degradação do suporte , principalmente devido a manchas, rupturas do suporte e consequências da corrosão da tinta, a leitura de todo o documento é muito prejudicada. No entanto, o álbum de ilustrações “Viajem pitoresca a Mato Grosso” de Affonso de Taunay é composto por diversos desenhos em aquarela, lápis e tinta ferrogalica que foram entrefolhados e encadernados, provavelmente pelo próprio autor. O documento encontrava se em estado muito danificado: encadernação rompida, folhas soltas e fora de ordem, suporte frágil com degradações físicas e químicas. 

Devido à importância dos dois artistas e o interesse em disponibilizar os documentos para consulta, houve uma iniciativa de realizar um projeto que visa preservar e disponibilizar os documentos para pesquisa. Os dois documentos passaram pela catalogação, documentação fotográfica e diagnóstico de conservação.   O projeto de conservação e restauro foi elaborado ao decorrer de 2011 e no decorrer de 2013 a restauração do álbum de ilustrações foi finalizada (3). No caso da caderneta, aventou-se a  possibilidade de melhor leitura do texto escrito em grafite o quepoderia permitir uma melhor compreensão do documento. As novas informações obtidas poderiam, por exemplo, ajudar na transcrição e tradução do texto. Deste modo, em parceria com o Instituto de Física da USP, dentro do projeto do Núcleo de Pesquisa de Física Aplicada ao Patrimônio Artístico e Histórico (NAP-FAEPAH) (4), e com o patrocínio do Instituto de Hercule Florence (5), foram realizadas as imagens de refletografia de infravermelho. Nesta técnica utilizou-se uma câmara de infravermelho “Osiris Digital Infrared” manufaturada pela Opus Instruments (6). A  técnica de reflectância de infravermelho (IV) que opera na faixa de 0.9 – 1.7µm, é uma técnica óptica não destrutiva na qual a imagem observada resulta da conjunção dos fenômenos de reflexão, absorção e transmissão da camada superficial revelando peculiaridades escondidas. Esta técnica têm sido muito utilizado para estudar e evidenciar camadas subjacentes, de um objeto, que não é visível a olho nú.) No caso particular deste documento onde as inscrições de grafite estavam mascaradas pela tinta ferrogálica foi possível gerar imagens de IV onde texto à lápis, bem como os desenhos se tornaram bem visíveis mesmo que quando a  camada de tinta e as manchas provocadas pela degradação eram intensas e o lápis era seja pouco transparente. 

Particularmente nos estudos da caderneta de Adrien Taunay os resultados obtidos com a técnica de infravermelho  permitiram gerar imagens nítidas das informações escritas a lápis: tanto nas páginas escritas somente à lápis como nas páginas com sobreposição de tinta e lápis. As inscrições e desenhos que foram cobertos com tinta e ficaram invisíveis ao olho nu foram descobertos com esta técnica. As imagens de IR possibilitam descobrir um “novo” documento com desenhos dos locais visitados e permitiram identificar o texto que foi anotado de forma espontânea durante a viajem (Figura 1).  Essas imagens resultantes desta análise estão contribuindo significativamente para a próxima fase: a transcrição dos textos e tradução dos mesmos de francês para português visandoas futuras publicações, que foi concluída no final de ano 2015.. O álbum de Ilustrações do Alfredo Taunay também foi fotografado na integra com IV e foi possível constatar pequenas informações importantes sobre o uso de diferentes tintas que somem sobre o imageamento IV (Figura 2). 

A pesquisa aqui descrita é resultado da convergência de metodologias de análises da Física Aplicada com metodologias da conservação e restauração de bens históricos a serviço da pesquisa nos campos da História, História da Arte e da Cultura. As possibilidades de análises não invasivas e danosas a documentos da cultura material presente nos museus e arquivos são ampliadas, e marca novos rumos para a prática interdisciplinar aproximando as áreas das Humanidades e das Ciências Exatas.  

 

Agradecimentos:

Shirley Ribeiro e Profa. Vânia Carneiro de Carvalho pelos encaminhamentos e apoio dentro do Museu Paulista, estabelecimento de parcerias com Instituto Hercule Florance e Escola Teobaldo Nigris,SENAI;

Francis Melvin Lee do Instituto de Hercule Florence pela catalogação e documentação dos documentos;

Instituto de Hercule Florence pelo patrocinio do restauro, da realização das imagens em IR e dos trabalhos de transcrição e tradução de textos da caderneta de Adrien Taunay.

Colegas de Núcleo de Conservação e Retauro: Fernada Mokdessi Auada, Cristina Sanches Morais, Gabriela Melo Bakiewicz, Ligia Camillo, Ellen Maganini e Margareth Victória Kolb pela realização de trabalho de restauração.

Gessonia Carrasco pela consultaria prestada na aplicação de composto de fitato de cálcio e participar no processo de restauração.

Flávia Flavia Urzúa pela ajuda na revisão do texto.

 

 

175

Figura . 1 Imagem visível em alta resolução e em IR da folha 23 da caderneta (Curado, J. 2014)

 

176

Figura 2. Imagem visível em alta resolução (esquerda) e de reflectância de Infravermelho de um desenho do álbum de ilustrações de Alfredo Taunay, acervo do Museu Paulista (foto:Curado, J.)

 

Notas:

(1) Affonso Taunay permaneceu diretor de Museu no período de 1917 até 1945 e liderou a formação do Museu Paulista e dos seus acervos. BREFE, Ana Cláudia Fonseca. Um lugar de memória para a nação: o Museu Paulista reinventado por Affonso d’Escragnolle Taunay (1917-1945). Campinas : Universidade Estadual de Campinas, 1999.

(2) Gerorg Heinrich Langsdorf , médico alemão naturalizado russo, organizou, nomeado como consul geral do Império Russo no Brasil ele liderou a expedição durante qual percorreu, entre os anos de 1824 a 1829, mais de dezesseis mil quilômetros pelo interior do Brasil, fazendo registros dos aspectos mais variados de sua natureza e sociedade, constituindo o mais completo inventário do Brasil no século XIX. BECHER, Hans. Barão Georg Heinrich von Langsdorff: pesquisas de um cientista alemão no século XIX. São Paulo: Diá; Brasília: UnB, 1990. 143 p.

(3) O processo de restauração realizado nestes objetos será descrito em artigo que será publicado brevemente.

(4) Site do Núcleo de Apoio a Pesquisa de Física Aplicada ao Estudo do Patrimônio Artistico e Histórico – NAP-FAEPAH, Universidade de São Paulo <http://www.usp.br/faepah/?q=pt-br/apresentação, acesso em março de 2016>

(5) Instituto Hercule Florence <http://www.ihf19.org.br/acervo_pt.html>

(6) Opus Instruments <http://www.opusinstruments.com/>, acesso em março de 2016